laoding

REVISTA VIGOR: Gastos com batata frita são maiores que investimentos em medidas simples para evitar mortes de crianças

October 21, 2013

Anualmente, 7,6 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade morrem no mundo por causas evitáveis. Um número equivalente a oito ônibus lotados de meninos e meninas mortos a cada hora, todos os dias. Enquanto os EUA gastam, anualmente, 13,6 bilhões de dólares em batata frita, com um valor menor que esse (11,8 bilhões de dólares por ano) se alcançaria 90% das crianças em estado grave de desnutrição no mundo, salvando 1,1 milhão de crianças e prevenindo a desnutrição em outras 150 milhões de crianças.

Anualmente, 7,6 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade morrem no mundo por causas evitáveis. Um número equivalente a oito ônibus lotados de meninos e meninas mortos a cada hora, todos os dias. Enquanto os EUA gastam, anualmente, 13,6 bilhões de dólares em batata frita, com um valor menor que esse (11,8 bilhões de dólares por ano) se alcançaria 90% das crianças em estado grave de desnutrição no mundo, salvando 1,1 milhão de crianças e prevenindo a desnutrição em outras 150 milhões de crianças.

Certamente, é também papel desse fórum mundial tratar das questões relativas à crise econômica no mundo, porém isso não pode reduzir o compromisso dos países desse mesmo fórum com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), firmados em 2000 para serem executados até 2015. É para que essas questões não sejam esquecidas em meio a discussões sobre como melhorar a economia mundial que representantes da sociedade civil participarão da reunião do G20 em Cannes na próxima quinta-feira, dia 3.

A Visão Mundial é uma das ONGs convidadas a integrar essa comissão do G20 com quatro representantes dos 100 países nos quais tem sede, dentre eles o Brasil. “Esse grupo é responsável por 90% do PIB mundial e, portanto, tem uma grande influência sobre os países. O papel das organizações não-governamentais é garantir que temas vinculados ao desenvolvimento social estejam garantidos na agenda e a discussão não fique apenas nos temas econômicos. Esses países podem assumir compromissos claros, inclusive financeiros, para reduzir drasticamente a mortalidade infantil e materna e problemas de nutrição globais”, explica o Diretor de Programas da Visão Mundial Brasil, Maurício Cunha, que integra a comitiva da Organização no G20.

Além de garantir prioridade ao tema da saúde materno-infantil e nutrição, a Visão Mundial também acredita que quatro ações principais devem ser tomadas em conta pelos países membro do G20 para aumentar a segurança alimentar e nutricional nas partes mais pobres do mundo:

1. Trabalhar com os governos, as Nações Unidas, outros entes transnacionais, a sociedade civil e o setor privado para desenvolver uma estratégia global e mecanismos que garantam uma atenção precoce e respostas efetivas para prevenir a Insegurança Alimentar e a desnutrição.

2. Assegurar que Políticas e Programas de Segurança Alimentar e de Agricultura incluam resultados para aumento da nutrição de mulheres e crianças como um dos pontos fundamentais.

3. Implementar sistemas e mecanismos que reduzam preços extremos e voláteis, incrementando a transparência dos Mercados e reduzindo o impacto dos biocombustíveis no preço dos alimentos.

4. Prover melhor e maior apoio para a agricultura familiar e os pequenos produtores.
           

Carta ao Ministro Guido Mantega

A Visão Mundial entregou ao Ministro da Fazenda, Guido Mantega, uma carta redigida pela World Vision International, parceria da qual a Visão Mundial Brasil faz parte, na qual explicita a urgência de se discutir o tema da segurança alimentar e nutricional no âmbito do G20.

Cópia da carta está disponível pelo link:
http://www.visaomundial.org.br/files/documentos/2b60c76911867af907cbf30256be3f2a.docx
                            

Saiba mais

* Uma boa nutrição nos países em desenvolvimento pode aumentar a produtividade econômica em até 3%.

* Apesar de não terem a responsabilidade exclusiva, os membros do G20 detêm recursos significativos e influência política. Eles estão em uma posição única para garantir que esses meios de influência estejam investidos a longo prazo nos lugares onde mais se precisa para resolver esses problemas.

* Custa apenas 42 dólares por família para deter a subnutrição antes que ela comece, enquanto que cinco vezes esse valor é o custo se esperarmos até que essas famílias precisem de ajuda alimentar ou alimentação terapêutica.

* Cinco das 10 iniciativas mais efetivas em soluções para o desenvolvimento focam em intervenções em nutrição nos primeiros 1000 dias de vida de uma criança.

* A cada ano, 1,5 milhão de crianças nos países em desenvolvimento morrem de diarreia. O simples uso de zinco pode reduzir em 25% as mortes por diarreia.

* Dois países do G20 (China e Índia) estão entre os cinco países onde vive metade das crianças raquíticas do mundo. Eles são também países em desenvolvimento que Sarkozy está pressionando para financiar a dívida europeia. A Visão Mundial propõe que eles se concentrem em resolver seus problemas de saúde infantil e nutrição.


Fonte: Revista Vigor